Make your own free website on Tripod.com






AS GRALHAS:

SUBVERSÃO EM CIÊNCIA

Maria Estela Guedes



POLÉMICAS EM CIÊNCIA


Sabemos o que são polémicas em Letras e na política, por vezes duras e cheias de paixão, carreando argumentos de todos os campos do conhecimento. Em ciências, aquilo a que se chama polémica são perguntas feitas por favor no final de uma comunicação a um congresso e as críticas por causa das vírgulas mal colocadas numa tese de doutoramento. O cientista trabalha dentro de um sistema fechado de ideias que ele mesmo construiu, esse é o seu castelo de cartas, o seu paradigma. Em princípio está apto a discutir qualquer assunto do paradigma, dentro do esquema paradigmático. Fora dele, não.

Perguntem a um mamalogista seja o que for acerca de ratos, esquilos ou essas preguiças da imagem, e ele sabe tudo sobre a matéria, e até quantos pêlos tem a mancha nas costas dos animais: as manchas de pêlos distinguem espécies, essa é Arctopithecus griseus Gray. Ou era, ao tempo em que Gray descreveu a espécie, no século XIX. Hoje o nome deve ter mudado, e o que eu escrevi, passível de críticas por parte dos especialistas, sendo assunto interno ao paradigma, é um sinónimo, uma designação desactualizada.

Os pêlos são caracteres diagnosticantes: a ciência estipulou que os pêlos são fundamentais para discriminar espécies e variedades de animais. As Letras nem sequer entendem isto, riem-se, a menos que se vá um pouco mais longe.

Digamos ao naturalista que esse carácter diagnosticante é um dos que subjazem ao racismo, e ele salta da cadeira. O poeta agora abre muito os olhos, entendeu também que a carapinha não é o mesmo que cabelos louros e bem escorridos. Estes são elementos de construção do sistema de ideias da ciência, ela escolheu esses caracteres e não outros quaisquer para discriminar, e a discriminação é-lhe absolutamente indispensável para a outra construção, a que chama "descrever" a Natureza. Há outro elemento de construção, que é comparar: mas só se compara o que se quer comparar, pretos e brancos ou homens e macacos. O naturalista elegeu o macaco para ponto de comparação exemplar com o homem, embora o macaco esteja infinitamente mais longe do que as gralhas de um carácter determinante da humanidade, a capacidade de articular sons e comunicar através deles. Nenhum naturalista perde tempo a comparar homens com minérios, feijoeiros, e nem sequer com papagaios. Por isso, quem sabe das relações íntimas entre homens, plantas, minerais e animais diferentes de macacos, são os poetas e os esoteristas. Os cientistas não sabem disso grande coisa, o assunto é estranho ao seu paradigma.

Digam ao naturalista que essas preguiças de mancha nas costas foram deixadas de propósito pelos colegas no lugar onde vivem, se ainda lá vivem, para estudarem o modo como a mancha nas costas desapareceria ou se ampliaria no curso das gerações, e ele primeiro diz "Não!", e dali não sai, porque não tem prova nenhuma em que assentar o seu "não" (a menos que haja fósseis da espécie na região, e muitas vezes não há). Note-se que estou a dar um exemplo, nem sei de onde são esses animais. Depois o naturalista fica sem pinta de sangue, mete o rabo entre as pernas e foge para a sua toca, recusa-se até a dar a cara, se quem faz declaração tão subversiva apresenta alguma prova. O naturalista não admite sequer estudar essa hipótese, ela não faz parte do seu sistema de ideias, e mais: entende que a introdução ou hibridação, mesmo praticada em séculos transactos com objectivos científicos, é uma fraude. Encostado à parede se forçado a ver, ele jamais cederia. Trataria, isso sim, de eliminar todas as provas da fraude que encontrasse: registos em etiquetas, listas de remessas, cartas dos colectores, animais em frascos, livros, e quem sabe se não eliminaria da Natureza os animais nessas circunstâncias que tivesse a oportunidade de capturar.

É uma pena que a verdade tenha deixado de ser o objectivo do conhecimento, e que o conhecimento científico se limite a ser uma construção ideológica. Felizmente o escritor tem outros recursos, e mesmo quando fala com as paredes, há sempre uma orelha nelas que se arrebita para ouvir.


Leia: A Ciência na Exposição do Mundo Português, em : http://triplov.com/newton/polemica
MAIS INFORMAÇÃO EM http://triplov.com
CONTACTO: gralhas0@lycos.com